Tipo
Homepage tipografos.net   Search by FreeFind

Sebastião Rodrigues (1929 - 1997)

Os seus objectos gráficos nasciam da investigação. Na pesquisa e no aprofundamento das raízes da cultura popular portuguesa está uma das inspirações do seu trabalho. Os seus melhores cartazes são, esencialmente, icnográficos. A sua luta com a tipografia e o lettering durou várias décadas, até, finalmente, também conseguir o domínio da componente tipográfica.

A Sebastião Rodrigues deve-se a imagem gráfica que teve a Fundação Calouste Gulbenkian. Desde o cartazes, desdobráveis, livros, catálogos, etc., muito material publicado pela Gulbenkian foi projectado desde a década de 60 por Rodrigues.

SR com a equipa gráfica da casa Manuel A. Pacheco dos anos 1970 a 1980

Nascido e criado no Dafundo, Sebastião Rodrigues exerceu o seu ofício em Lisboa. Desde muito cedo aprendeu o ofício com o pai, executando pequenas tarefas gráficas para o serviço de publicidade do jornal A Voz.

Em 1945 foi trabalhar para o Atelier de Publicidade Artística (APA) onde veio a conhecer o seu futuro companheiro de trabalho, Manuel Rodrigues, que o acompanhou durante 30 anos.

Sebastião Rodrigues trabalhava com todos aqueles que faziam parte do vasto processo de produção gráfica e com todos eles trocava conhecimentos e experiências.

Com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian (1959-60), viajou durante meio ano pelo Norte do País para recolher material gráfico de raiz popular.

Foi nestas e noutras viagens que fazia com frequência que Sebastião Rodrigues recolheu o material que viria a constituir matéria prima para os seus trabalhos.

Na pesquisa e no aprofundamento das raízes da cultura popular portuguesa está uma das chaves da qualidade do seu trabalho.

Sebastião Rodrigues era um perfeicionista. O domínio de todo o processo de design, desde a concepção ao produto final era feito com todo o rigor.

Combinou as potencialidades da impressão em offset com inspiração de raiz popular e tradicional e ainda com influências tão vastas que vão desde o design americano (Alvin Lustig) ao nacional (Victor Palla).

O seu grafismo foi uma das heranças deixadas por Victor Palla. A grande inovação estava na harmonização do lettering utilizado na capa do livro e da ilustração que geralmente estava sempre presente.

Almanaque

Assim, o papel da tipografia passou a ser o de ilustração também. De 1959 a 1961 foi o resposável pelo design gráfico da revista mensal Almanaque.

Nesta publicação, da qual eram editores José Cardoso Pires e Figueiredo Magalhães, Sebastião Rodrigues trabalhou em colaboração com diversos artistas contemporâneos, como por exemplo Abel Manta.

sr
 
al2

Capa: Revista Almanaque Novembro 1960. Casa Portuguesa. 170 x 250 mm

Capa: Poesias Completas de António Gedeão. Livraria Sá da Costa Editora. 9ª Edição 1983. 140 x 210 mm

 
Sebastião Rodrigues

Desdobrável: Secretariado Nacional da Informação, Lisboa. 100 x 225 mm

 

Depois da revista Almanaque participou em vários outros projectos com as editoras Sá da Costa e Arcádia (primeiro projecto em 1961) e Editorial Verbo (primeiro projecto em 1979).

A imagem gráfica, desde os cartazes, desdobráveis, livros, catálogos, etc., da Fundação Calouste Gulbenkian foi projectada desde a década de 60 por Sebastião Rodrigues.

Recebeu vários prémios e menções honrosas ao longo da vida, incluíndo o "Award of Excellence" pelo ICOGRADA (International Council of Graphic Design Associations), em 1991 e a Medalha de "Grande Oficial" da Ordem de Mérito, atribuída pelo Presidente da República, em 1995.

Slides de apresentação em aula / ULP

PDF Sebastião Rodrigues, PDF, ca. 16 MB

Depoiamentos

Henrique Cayatte sobre Sebastião Rodrigues: «Era um designer de enorme qualidade em qualquer parte do mundo. Foi um autodidacta porque a formação dele não era essa. Era um homem de imensa cultura e mudou completamente o paradigma do design em Portugal. O Sebastião pertenceu à primeira geração dos designers em Portugal».

Bibliografia

Fundação Calouste Gulbenkian, Catálogo da Exposição "Sebastião Rodrigues, Designer", Jul/Set 1995

Sociedade Tipográfica, Catálogo da Exposição "Falando do Ofício", 1986

Página actualizada em 2012

baixo

Topo páginaTopo página

Quer usar este texto em qualquer trabalho jornalístico, universitário ou científico? Escreva um email a Paulo Heitlinger.
copyright by algarvivo.com